Original

myfreecopyright.com registered & protected

sábado, 27 de novembro de 2010

Visita a maternidade

Bom, não teve foto, não teve fotógrafo, nem visita a sítio com picnic.
O encontro de gestantes de ontem foi tipo levar o bolo mesmo...totalmente em vão.

Ai que eu e a amiga que fiz no curso Juliana, que também é de POA e mora aqui, decidimos juntas a não perder a tarde e fomos conhecer a maternidade do Hospital da Unimed de Criciúma. Onde o Lucas vai nascer!!!! E o filho dela tb, temos poucas semanas de diferença de tempo na gestação.

Bem novinho, tem apenas 2 anos de funcionamento, todo bonito, limpinho, perfeito.
O quarto é bem espaçoso, todo equipado, moderno, tem internet hahaha a viciada já gostou....e o banheiro novinho, chuveiro parece ótimo, cortinas do box descartáveis, tudo muito limpo.

A sala onde a família vai aguardar pra ver o Lucas é bonita e tem um janelão de vidro por onde meu amado filho será visto pela primeira vez pelos avós e tios (?). Que emoção imaginar esse momento!

Não foi possível conhecer as salas de parto, por questões de higiene não permitem. Acho ótimo. 

O que me deixa intrigada é a surpresa da recepcionista pela nossa preferência por parto normal. Não sou nenhuma radical de levantar bandeira e argumentar até a morte essa preferência. Mas fico intrigada com a reação da recepcionista, que disse ser mto raro ter parto normal...todas preferem cesária já que o plano paga.

Sério? As pessoas se sujeitam a uma cirurgia apenas porque o plano paga? Mesmo que seja desnecessária só pra se valer do benefício? Não creio!

Ela chegou a dizer que o parto vaginal é o parto anormal hoje em dia...e o normal é cesária. Mas que o hospital dispõe de tudo para o parto normal, sala de preparação com bola de pilates etc...mas quase ninguém usa.

Depois a mulherada reclama de ser chamada de sexo frágil.
Eu entendo quando a mulher tenta o normal e não consegue, acaba pedindo a cesária.
Mas não entendo quando tem total condição de fazer o normal, tem dilatação, bebê posicionado pra tal e nem tenta, nem experimenta o que não conhece antes de rejeitar.


foto: getty images
Hoje em dia, 2010 people, há bastante conhecimento médico, equipamentos nos hospitais, recursos. Se não der pra seguir em frente dá pra fazer cesária a partir de qq momento.
A mulher só sofre se quiser.
Tem cortezinho, anestesia, médico, toda uma equipe ali cuidando da gente.
É só ler os diversos relatos de parto na internet...as mulheres sobrevivem pra contar gente!
Não pode ser tão ruim assim.


Eu tenho muito mais medo, no caso de precisar de uma cesária, de sofrer por muitos dias com a dor na recuperação do que de sofrer algumas horas com a dor do parto normal.
Relacione: horas de dor x dias de dor. 
Prefiro cuidar e me dedicar ao Lucas sem dor do passar pelo parto anestesiada e sofrer justamente nos dias que quero curtir meu filho, conhece-lo, viver todo esse momento da melhor maneira possível.

Eu quero tentar...se não for possível tudo bem, cesária sem drama. Mas prefiro parto normal.



4 comentários:

Juliana disse...

Oi Vanessa,
Aqui quem fala é a Juliana, do Marcelo, que me contou que estavas escrevendo o blog...achei legal essa idéia de dividir as idéias e inquietações, neste período em que estamos tão voltadas pra nós mesmas e o nosso baby. Não pude resistir quando li o post sobre o parto normal. Mas que ignorância da secretária do hospital falar tamanha asneira, que parto normal hoje em dia é anormal...É bem verdade que aqui no Brasil a maioria dos nasciementos é por cesariana, mas isso tem a ver com a comodidade para os médicos (porque é mais rápido e prático pra eles realizarem a cirurgia do que serem surpreendidos no meio da noite ou no final de semana pra amparar um bebê de parto vaginal, além do valor mais alto da cesária, acabam ganhando mais em menos tempo) e ignorância do 3 mundo. Lá fora, tu sabes, é bem ao contrário. Os obstetras valorizam e incentivam o partinho (como a minha médica daqui chamava). Falando das minhas duas experiências, as duas meninas nasceram de parto normal, com indução. É claro que dói até atingir a dilatação necessária. Só daí é feita a anestesia. Mas convenhamos, é uma dor suportável. Eu pensava assim: que venha essa dor, por que ela é o sinal que tá tudo se encaminhando, que a natureza tá fazendo seu trabalho e meu corpo está se preparando pro momento de maior expectativa...o nascimento. A cesariana, como tu disseste, é uma cirurgia e deve ser deixada pra casos onde existe indicação. A recuperação do parto normal é algo impressionante....3 hs depois de dar à luz, já fui tomar banho...além do imenso orgulho de poder ajudar o seu filho nascer...É claro, sem stress, se houver necessidade da cesariana, ainda bem que existe prá nos ajudar. Por isso, não desanime de ter parto normal, mesmo que ouça milhares de mulheres dizendo que isso é ultrapassado. Bj.

Pris Gger disse...

Isso mesmo, Nessa. Concordo plenamente com vc. Não é que a gente rejeite a cesária, mas se temos condições de ter um parto normal, vale a pena, mesmo que doa horrores na hora. O que vale pra mim é o prazer de poder cuidar de mim mesma e do meu filho. Então, eu levanto e defendo a bandeira do parto normal e vou tentar até o fim. Se não der, tudo bem. Mas eu não vou deixar me levar pela comodidade. Que saber que fui eu quem trouxe meu filho ao mundo.
Bjsss

Carla Domingos disse...

Ahhhh Nessa sério que não teve fotos!!
Que pena!

:(

Mas que bom que vc e sua amiga foram conhecer a maternidade. Eu queria que Toledo tivesse um hospital novinho, tudo brilhando.

Onde eu terei o Davi, os ladrilhos (isso mesmo, ladrilhos) do centro cirurgico são os mesmos desde quando eu nasci. haha

Bjinhos

Carla Domingos disse...

Ah, e sobre o PN, a secretaria da minha medica tb se espantou qdo eu disse que queria PN. "Ah, eh que todas ja vem decidida a fazer cesaria, voce eh corajosa!"

Afff