Original

myfreecopyright.com registered & protected

quarta-feira, 23 de março de 2011

Assunto polêmico

Mexendo numa gaveta hoje encontrei um jornal Zero Hora com matéria sobre cólicas de RN que eu havia guardado ano passado e nem lembrava mais.
E lendo todo caderno encontrei uma matéria polêmica que achei muito interessante. Busquei no Google pra colar aqui e dividir com vocês:







"Relacionamento | 29/07/2010 17h
Bebês mimados tornam-se adultos menos estressados, diz estudo.
Vínculos afetivos fortes fornecem base sólida para os futuros adultos.
A afeição maternal transbordante dada aos bebês de alguns meses torna-os mais bem preparados para enfrentar os problemas da vida na idade adulta, segundo um estudo publicado nesta terça-feira no Jornal de Epidemiologia e Saúde Comunitária, uma revista americana.
Na pesquisa realizada durante vários anos com 482 pessoas no Estado americano de Rhode Island, os cientistas compararam dados sobre a relação dos bebês de 8 meses com sua mãe e seu desempenho emocional, medido por testes, aos 34 anos de idade.
Eles queriam verificar a noção segundo a qual os vínculos afetivos fortes a partir da primeira infância fornecem uma base sólida para se sair bem ante os problemas da vida.
Até então, os estudos sobre o assunto eram baseados em relatos de lembranças da infância, sem um acompanhamento.
A qualidade da interação dos bebês com suas mães aos 8 meses foi avaliada por um psicólogo, que anotou as reações de afeto e atenção da mãe. A classificação - datando dos anos 60 - ia de "negativa" à "excessiva", passando por "calorosas".
Em cerca de um caso em dez, o psicólogo notou um baixo nível de afeto maternal em relação ao bebê. Em 85% dos casos, o nível de afeição era normal, e elevado em 6% dos casos.
Essas pessoas acompanhadas foram testadas, depois, aos 34 anos, sobre uma lista de sintomas reveladores de ansiedade e hostilidade e mal-estar em relação ao mundo.
Qualquer que fosse o meio social, ficou constatado que os que foram objeto de mais carinhos aos 8 meses tinham os níveis de ansiedade, hostilidade e mal-estar mais baixos. A diferença chegava a 7 pontos no item ansiedade em relação aos outros; de mais de 3 pontos para hostilidade e de 5 pontos para o mal-estar.
Curiosamente, não havia diferença entre os que receberam um nível de afeto baixo e o normal. Isso poderia ser explicado, principalmente, segundo os pesquisadores, pela falta de interações verdadeiramente negativas na mostra observada.
Segundo eles, isto confirma que as experiências, mesmo as mais precoces, podem influenciar na vida adulta. As memórias biológicas construídas cedo podem "produzir vulnerabilidades latentes", diz o estudo."

PS nada a ver: ontem no café da manhã tomei café com leite molico e o Lucas não teve cólica!
Dormiu das 20h até 01h50
Acordou de novo as 2h45 , as 5h, as 6h, as 7h rs...mas to renovada por ter dormido algumas horas! Fui na pracinha, no salão de beleza, na farmacia e numa loja com o Luke!


- Posted using BlogPress from my iPhone

9 comentários:

Jéssica Roberta disse...

interessante esta pesquisa, bora então mimar nossos pequenos,

vai introduzindo os alimentos aos poucos no seu cardápio, eu fiz assim e ELo nunca teve cólicas.

bjs

Pris Gger disse...

Interessante a pesquisa...
Mas viu que falei?? Não foi o capuccino em si... talvez, o Lucas só precisa se reacostumar com esse tipo de alimento.. com calma, as coisas ficam no lugar. Bjsss

Luana disse...

Amei essa pesquisa .
bjsss

Eu e minhas três bonecas... disse...

Vamos mimar nossos pequenos!!!!
Que pena, quarta não consigo ir na pracinha, Carol tem inglês e depois balé...
Beijos!

Vanessa & Reginaldo = Fernanda disse...

Amei...Já mimava, e agora mais ainda!
Beijos

Renata Grillo Tirol disse...

Olá, tudo bem! Obrigada pela visita...quando meu filho nasceu eu fazia acompanhamento com uma nutricionista, pois tive diabetes gestacional. Continuei seguindo a dieta durante os 3 meses do bb e ele nunca teve cólica, derepente é legal uma orientação, mas os bbs tem organismo diferente, ja li em varios lugares que é lenda sobre o repolho ou cafe etc... O que importa foi que a dieta me ajudou tbm a voltar um pouco a forma rs.
Adoro postar sobre recem nascidos, sempre tenho dicas, estou te seguindo, bjs

Carla Domingos disse...

Oi Nessa!
Não achei muito polemico o assunto, vai ver pq concordo com ele. rsrs
Carinho nunca eh demais, sempre eh bom e confortante para o bebe, alem de lhe trazer seguranca.
O que eu acho eh que carinho eh diferente de manha e de deixar o bebe dominar a situacao. Estou tentando, aos poucos, fazer com que o Davi seja um pouquinho independente, tipo dormir sozinho, sem ser no colo.

Mas amor e carinho nunca faltaram pro meu filhote.

Bjinhos

Leonardo disse...

Oi Vanessa,
Vc perguntou da reação da vacina, a Elisa teve uma pequena reação sim, foi uma pequena febre e ficou bem enjoadinha o dia todo. Todos dizem que essa vacina dá muita febre, aí nós já demos pra ela o Tylenol Bebê já na hora da vacina e continuamos dando durante todo o dia de 4 em 4 horas, acho que foi por isso que a reação foi menor nela.
Qualquer coisa é só entrar em contato.
Abraços. Leo
www.diariodepapai.blogspot.com

Vanessa & Reginaldo = Fernanda disse...

Nessa, cadê vc no orkut? Sumiu foi? Que pena, você faz muita falta na Comu viu, saudades!

Também tô registrando os tão sonhados e maravilhosos momentos como mãe, Dá uma olhada e siga meu BLOG:

http://vanessaereginaldo.blogspot.com/

Um abração em vc e no Lucas ( Lindo demais)!